No reino dos Glosters

Cuidados a ter no cruzamento de cores

 

Introdução aos Azuis

Tão atraente quanto a mutação branca dos glosters, este raramente toma o segundo lugar para o azul. O branco claro podemos compara-lo com o claro normal, enquanto o azul é uma parte correspondente do verde.

 O gloster azulque exiba uma excelente forma, junto com comuns finos traços escuros num fundo azul, particularmente se é um corona que possui aquela marca de escuridão em toda a pena da coroa que acentua sua radiação, nunca falha na sua atracção. Para criar este tipo de gloster é aconselhável que não mostrem nenhum defeito, especialmente na garganta.

 O gloster azulé só um pigmento do branco estando então sujeito ás mesmas leis de herança, sendo sempre acasalado com parceiros de criação normais.

 Genéticas

Casais para produzir azuis dominantes :

 

Acasalamentos

Resultado

1.

Macho azul

X

Fêmea verde

Jovem azul. Jovem verde

2.

Macho verde

X

Fêmea azul

Jovem azul. Jovem verde

3.

Macho azul

X

Fêmea canela

Machos azuis, portadores de canela. Fêmeas azuis.

Fêmeas verdes

4.

Macho canela

X

Fêmea azul dominante

Machos azuis, portadores de canela, Machos verdes, portadores de canela.

Fêmeas fawn. Fêmeas canela.

5.

Macho azul, portador de canela

X

Fêmea canela

Machos azuis, portadores de canela. Machos verdes, portadores de canela. Machos fawn. Machos canela.

Fêmeas azuis. Fêmeas verdes.

Fêmeas fawn. Fêmeas canela.

6.

Macho azul, portador de canela

X

Fêmea verde

Machos azuis. Machos verdes.

Machos azuisportadores de canela.

Machos verdes, portadores de canela. Fêmeas verdes.

Fêmeas fawn.

Fêmeas canela.

 

 Vocábulo: Fawn=Canários brancos com manchas canela.

Introdução aos Brancos

Uma das primeiras mutações de cor que um principiante de glosters irá ver será certamente è o branco. È uma forma compacta, um emplumado denso, faço isto o assunto ideal para os especialistas, se os coloco com uma coroa escura, ou com uma coroa escura e com umas marcas nas asas, a beleza do gloster branco está além de comparação.

Brancos dominantes

A mutação de branco com o qual o criador de glosters está a trabalhar, é conhecida como dominante.

 Embora existam brancos recessivos, os poucos exemplares estão na posse de alguns criadores que se especializam em novas cores de canários.

 O canário branco dominante nunca é verdadeiramente um branco puro, pois sempre exibe uma leve cor de amarelo em algum lugar das asas, e ou, no rabo. A remoção desta cor é impossível mas é possível para um perito que cria glosters fancy, onde a sua descoberta nos vai requerer mais do que um segundo olhar.

 A maioria dos acasalamentos para produzir brancos é geralmente buff X branco, o parceiro branco pode ser de qualquer sexo, não pode é ser mais benéfico que o outro. O branco raramente é acasalado com um parceiro amarelo, pensa-se que o uso de amarelos aumenta o transporte da pigmentação para os brancos produzidos neste acasalamento.

 Brancos claros

Se desejas produzir brancos claros, terás mais êxito usando aves que não mostram nenhuma variação. O uso do grizzle corona com coroa clara é uma vantagem neste acasalamento, mas para produzir com coroas escuras será aconselhável usar os consortes levementemarcados com coronas claros, ou consortes branco claro com coronas amarelo claro com coroa escura.

 Genéticas

O modo de herança para o branco dominanteé exactamente igual que para os coronas. O acasalamento de branco com amarelo claro, produz uma percentagem de 50% de cada cor que estará presente na descendência resultante. Como o branco é dominantesobre uma cor normal dois brancos nunca devem ser empregues juntos como um par de criação, porque a junção de dois factores dominantes dá 25% de filhotes que não são viáveis, por exemplo não são bastante fortes para sobreviver.

 Introdução aos Canelas

Em minha opinião, os tons subtis do gloster canela pôs esta variedade de cor entre as cores de canário mais atraente.

Devido á habilidade dos canelaspara melhorar a estrutura da pena, o criador de glosters encontrará vantagem ao trabalhar sangue de canela em linhas semelhantes como é dito em cima para criar Intensos. 

 Regras semelhantes ás usadas no estudo dos Intensos, o uso de muito sangue de canela no seu estudo de gloster conduzirá a uma deterioração na cabeça e na qualidade do pescoço. Porém, como com os Intensos, pode ser usada a boa qualidade da plumagem de canelacomo uma vantagem.

Ligação ao sexo

A herança do canela, têm ligação ao sexo, normalmente é difícil para um iniciado entender. Porém quando devidamente explicado, é relativamente simples.

 O gloster canela é efectivamente uma ave tri-colorida, sendo a sua cor básica ou cor de fundo, o amarelo ou o buff que são chamadas cores lipocrómicas. 

Sobreposto nesta cor aparece os pigmentos pretos e castanhos, conhecidos como melaninas.

No gloster verde, a cor natural do canário selvagem, muito do castanho é mascarado pelo domínio do negro, mas se nós removermos a presença das melaninas pretas e deixarmos só as castanhas, ficamos perante uma ave canela

 Agora, aqui vem a parte confusa, há dois tipos de aves canela:

Primeiro, o canelavisual. Estas aves têm os olhos vermelhos em jovens, que escurecerão até a idade adulta, na qual ficarão cor de ameixa, a cor da pena que a ave mostrará será o canela.

Segundo, portador de canela (canela não visual). Tudo o que foi dito anteriormente no canela visual acontece aqui, excepto a cor da pena, porque apesar de ser uma ave cheia de canela, ela está impossibilitada de expressar a cor canela na pena.

Genéticas 

Como resultado de acasalamento canela, o macho pode ser um destes três tipos:

1.       Canela (canela visual)

2.       Portador de canela (canela não visual)

3.       Sem canela

  

A fêmea pode ser canela neste caso ela mostra isso visualmente, ou sem canela.

Há cinco possíveis acasalamentos que envolvem coloração canela:

 

Acasalamentos

Resultado

1.

Macho sem canela

X

Fêmea canela

Machos portadores de canela. Fêmeas sem canela(note-se que todo o macho portador de canela é normal em coloração, isto é, canela não visual)

2.

Macho canela

X

Fêmea sem canela

Machos portadores de canela. Fêmeas canelavisuais (o resultado deste acasalamento as fêmeas descendentes podem ser determinadas pela saliência dos olhos rosa uma maneira de manifestação nos canelas).

3.

Macho portador de canela

X

Fêmea sem canela

Machos e Fêmeas sem canela. Machos portadores de canela. Fêmeas canela.

4.

Macho portador de canela

X

Fêmea canela

Machos portadores de canela. Fêmeas sem canela. Machos e Fêmeas canela.

5.

Macho canela

X

Fêmea canela

Toda a descendência canela.

 

Nota:

As fêmeas não podem herdar o gene de canela da mãe dela, nem ela o pode transmitir ás filhas dela. Ela só pode receber isto do pai dela e só pode passar isto aos filhos dela.

 Introdução aos Intensos

Na tentativa de se atingir o standard de exibição, muito do teu trabalho vai ser com aves em que a textura das penas é buff (pássaros amarelos com uma grande percentagem de verde) em vez de Intensos.

 Contudo, agora muitos dos criadores reconhecem a necessidade de ter um bom Gloster Intenso para uma melhor qualidade no seu viveiro.

 O gloster Intenso devido principalmente a sua fina textura da pena, normalmente apresentam um aspecto delgado e comprido, em contradição com o standard de um gloster de exposição, por isso o uso regular de acasalamentos contínuos de Intenso X Intenso, ou IntensoX buff, é sem duvida um passo atrás na qualidade.

 Ainda assim, depois de algumas gerações de acasalamentos de buff’s, se for acasalado um gloster Intenso com um buff, o patamar de qualidade atingido é sem duvida inquestionável.

Nunca subestimes o uso do gloster Intenso no teu viveiro, o uso deste tipo de gloster pode melhorar ou quebrar a qualidade da tua criação. É então essencial que tu mantenhas registos detalhados de todas as tuas aves. Para beneficiar da introdução de sangue Intenso, precisarás de saber que quantidade de Intenso está em cada uma das tuas aves buff. Além do mais, precisarás de mostrar um pouco de paciência antes de recolher as devidas recompensas, como precisarás de dar alguns passos atrás, antes de dar o verdadeiro salto em frente. 

Tu vais ver que mesmo um gloster Intenso excepcional, nunca se pode comparar com o seu homólogo buff, mas colocando dois casais em que cada um contenha um parceiro Intenso, mais tarde irás recolher bons dividendos.

 Se não desejas te dedicar aos Glosters Intensos com o propósito de os levares a exposição, então deves ter uma linha de Intenso separados da tua criação principal. Isto vai permitir fazer uso completo da segunda geração de crias Intenso/buff, para tentar eliminar qualquer aspereza que comece a aparecer na tua linha principal de criação de buff’s.

 Os Glosters buff’snascidos na segunda geração após o acasalamento com um Intenso, devem apresentar já um regresso as linhas exigidas pelo standard, enquanto continuam a mostrar a excelente plumagem herdada dos seus avós Intensos.

 Qualquer Intensonascido do acasalamento Intensocom buffserá uma adição bastante benéfica para o teu viveiro, mas de modo algum, saturar a tua criação. Assim sendo, e desta forma eles apenas serão guardados se forem aves exemplares. Os consortes Intensospodem ser usados para tirar vantagem daqueles coronas com excepcionais bons corpos, que são o resultado da criação ideal, ou seja, retirar consortes buff’s que exibam pena curta. Não infrequente esta ave mostra a falta de uma pena de boa qualidade na coroa, devido á quantidade de acasalamentos de buff’s que foram usados nas gerações anteriores, e enquanto inútil para exposição, é ideal para o uso acima esboçado.

 Manutenção da criação dos Intensos

 Para começar a criar, e a manter uma boa criação de glosters Intensosde exposição, requer da tua parte uma considerável esperteza. A maioria dos problemas que tu encontrarás será causada pela delicadeza da pena intensa.

 Como exemplo, grande parte dos Intensosexibem um comprimento considerável de pernas e bicos pouco grossos. As penas que constituem a coroa, serão vistas como cabelo e longe do standard exigido para exposição. Contudo, apesar destas desvantagens todas, seguramente compensa a gloriosa profundidade da cor.

 Com excelente material buffcom que trabalhar, a criação de bons Intensosestá longe de ser impossível, contudo é requerida dedicação e paciência.

 Nota:

Não tentes obter uma excepcional profundidade da cor, pois logo verás que quanto maior for a profundidade da cor, pior é a plumagem que exibe.

 O que é necessário é um compromisso, onde a profundidade da cor é transportada, numa densa e boa textura de pena. Uma vez isto alcançado, tu podes esperar para ver o aparecimento de um pouco de qualidade entre os consortes descendentes.

 Vocábulo: Buff = Canário amarelo com uma grande percentagem de verde

Introdução aos Verdes

Provavelmente o Gloster de cor mais útil no seu viveiro, e sem duvida, o mais comum na maioria das criações dos criadores.

 O gloster verde pode ser empregue directamente em qualquer espectro de cores de acasalamento. É usado pelos criadores de glosters devido á excelente qualidade das penas exibidas pelo gloster verde.

 Como o gloster verde agora é reconhecido como o mais útil em todas as variedades de cores, ele desfruta de um excelente sucesso nas exposições.

 Se um consort ou um corona, for um bom verde, ele é capaz de dar muitas alegrias a um criador sério de canários glosters fancy.

 Algumas das melhores coroas são encontradas nesta variedade de cor, é uma vantagem um criador ter encontrado um gloster corona capaz de transferir as necessárias características de exibição para os seus descendentes.

 Os Verdes podem ser divididos em duas classes:

  • T.P.E (Três Partes Escuras ou seja menos de 25% do corpo tem a cor amarela)
  • Buff   (Em que o corpo tem mais de 25% de cor amarela)

Nota:

Apesar de no meio ornitológico serem ambos chamados por verdes (no meio de criadores dedicados aos Glosters estes já são identificados como dois subgrupos do Verde, ou seja, são chamados por Buffs e TPE.) a qualidade da pena e textura são completamente diferentes.