No reino dos Glosters

STANDARD IGBA GLOSTER CORONA

Gloster Corona do criador Robert LaRochelle do Canada

 

STANDARD IGBA GLOSTER CONSORT

 Gloster Consort da criadoura Barbara Gray de California,U.S.A.

 

Julgamento por comparaçao

 

 O julgamento por comparação foi dividido e tem vindo a ser utilizado na Irlanda e na América para julgar aves aproximadamente à 150 anos.
Este sistema divide as aves em duas classes baseados no sexo, cor e idade, em relação ao canário gloster existe um mínimo de 25 classes, onde os campeões das classes são colocados juntos para decidir o campeão final. Os canários são colocados junto uns dos outros no palco onde o juiz compara a sua forma. O juiz então decide qual o melhor canário e coloca-o na frente. Este repete o processo até que tenha um vencedor total. Não são dados pontos às aves, porém são colocados em ordem do primeiro ao sétimo lugar na classe julgada. Deste modo no final da Exposição o, Melhor Gloster, Melhor Coroa, Melhor Consort, Melhor Variegado, Melhor Três Partes Escuras, Melhor Intensivo, Melhor Branco, Melhor Canela e Melhor Grizzle foram escolhidos.
Existe também em paralelo a secção dos noviços com menos de 5 anos de experiência que oferece o mesmo número de classes e prémios como na classe dos Campeões. Isto permite aos iniciantes a oportunidade de competir entre uns e outros e claro também a de vencerem o Melhor Gloster.
Os juízes devem participar e exibir no mínimo 5 anos e ao mesmo tempo têm de continuar a criar e exibir cada ano, não podem ser aceites no painel, juízes que não respeitem este pressuposto, tornando estes elegíveis a julgar. Cada Clube escolhe para a sua Exposição os seus próprios juízes e publicita os nomes destes com antecedência para que os potenciais Expositores possam saber quem vai julgar os seus glosters. As Exposições na Inglaterra e na Irlanda usualmente duram 1 dia, correndo os julgamentos entre as 9 da manhã e as 13.00, durante este tempo um juíz experiente pode julgar até 300 glosters, logo uma Exposição com 500 glosters requer geralmente 2 juízes. Em Exposições com mais de 1 juiz, estes devem decidir conjuntamente todos
os prémios e concordar com estes. É normal para o juiz permanecer na Exposição até que esta encerre, de forma a poder discutir os glosters com os Expositores que tenham questões e pretendam alguns esclarecimentos.
Os glosters na Inglaterra e na Irlanda são Expostos na gaiola verde estilo Inglês, gaiola especialmente desenhada para potenciar o gloster no seu melhor. Recentemente, Exposições pelo método de comparação são cada vez mais e mais populares na Bélgica, Holanda, Itália, Alemanha e actualmente em França e Portugal, onde alguns criadores preferem este tipo de julgamento.

Na minha opinião o julgamento por comparação tem vantagens em comparação com a COM em algumas áreas chaves e isso explica o crescimento da popularidade na Europa. Primeiro julgar pelo método de comparação é muito mais rápido que o método COM que leva a muitas vantagens. Exposições podem ser mais curtas e durar apenas 1 dia, isto é, menos dispendioso para a organização que pode poupar no recinto e em Hotéis, também é melhor para os glosters uma vez que estão fora de casa num período mais curto sendo menos expostos ao stress. Para finalizar estes factores fazem com que seja mais fácil organizar uma Exposição, permitindo haver mais Exposições o que permite aos criadores maior possibilidade de expor os seus canários.

Segundo pelo método COM normalmente apenas existe 2 classes, uma para coroas e outra para consorts, isto significa que glosters Intensivos, Canelas, Grizzles, Brancos são improváveis vencedores, o que desmotiva os criadores a manter e criar estes últimos.
Também com a classificação IGBA (comparação) machos e fêmeas, adultos e novos canários são julgados separadamente, dando-lhes a possibilidade de serem julgados entre os seus. Se todos os glosters estivessem na mesma classe no standard do gloster significaria que as fêmeas adultas normalmente venceriam, não dando aos machos e aos novos uma verdadeira oportunidade de vencer. Ao haver prémios separados para Intensivos, Canelas, Brancos, Grizzles mais aves são criadas o que faz com que o gloster seja mais atractivo para todos.
A classe de noviços permite que criadores inexperientes, possam expor com outros noviços num verdadeiro meio, e podem ao mesmo tempo ver os seus glosters evoluir durante esses 5 anos, para depois competir com os campeões com maior possibilidade de êxito. Isto permite-lhes ganhar coragem e meios que com o tempo que passou para se tornarem campeões têm assim a oportunidade de ganhar experiência e melhorar os seus glosters.
Campeões também estão mais abertos a vender bons glosters aos noviços que não competem e expõem directamente com estes.
Terceiro é melhor para os juízes serem escolhidos pelos organizadores e expositores para cada Exposição, assim bons juízes serão convidados a julgar mais Exposições e fracos juízes tendem a ser menos solicitados a julgar. Pessoas que trabalham duro para organizar uma Exposição, devem estar aptos para decidir quem vai entregar os prémios uma vez que a reputação da Exposição depende dos julgamentos. Adicionalmente a regra de que todos os juízes de glosters devem criar e expor glosters ajuda a assegurar que os juízes entendem ao pormenor os detalhes do canário que estão a julgar e que estão aptos a dar uma opinião mais fundamentada. Como resultado de as Exposições serem mais curtas permite que o juiz esteja presente quando os expositores visitam a exposição e assim poderem discutir as suas aves, é tradicional na Inglaterra esperar até que o juiz termine o julgamento, e perguntar que explique o porque das suas escolhas.
Deste modo experientes e inexperientes criadores podem aprender muito sobre o que é importante num Gloster Campeão e receber conselhos em como podem melhorar os seus canários. A maior diferença com o método COM é não ser julgado por pontos, o que torna este tipo de julgamento superior em relação ao método por comparação que permite que cada ave seja julgada isoladamente em relação ao standard e recebe uma pontuação num total de 100 pontos. Na realidade o julgamento COM é andar à volta das gaiolas e seleccionar o canário que pensamos ser o melhor e dar-lhe 92/93 pontos. Coloca-se numa mesa e depois compara-se com os outros canários expostos para pontuar de acordo. O juiz tem de preencher a ficha individual por pontos, primeiro que seja premiado com o total.
Se visitar o Campeonato Mundial pode ver 800 glosters, desde excelentes especímenes até fracos glosters a nível de qualidade, nenhuma ave recebe mais do que 93 pontos e nenhum menos do que 87 pontos. Por causa desta limitação pontual muitas aves são premiadas com 90 pontos, quando são diferentes em qualidade, e seus criadores podem não ser avisados sobre qual o standard actual dos seus glosters.
Também é pouco provável que o juiz fique só pelos glosters, mas instantaneamente pega noutro tipo de canário, seja Norwich, Borders, ou Yorkshires, pode não saber que o standard do gloster hoje é difícil de traduzir ao bidimensional e a palavras em três dimensões.
O facto do julgamento ser mais lento, significa que a ave pode ter sido julgada 2 a 3 dias antes da Exposição ser aberta aos criadores e visitantes, durante este tempo a ave pode mudar drasticamente e o criador pode não estar aberto a entender porque razão o vencedor foi escolhido.
Isto é ainda pior quando o juiz como normalmente, deixou o recinto da Exposição e logo não é disponível para explicar as suas decisões. Adicionalmente gaiolas brancas e largas são inapropriadas para julgar glosters, o que faz com que a cor destes pareça pior e torne difícil julgar, principalmente o tamanho, o que torna difícil mais uma vez explicar a razão de certa ave ser vencedora.
Em conclusão enquanto eu admiro alguns aspectos do método COM, principalmente a anilha fechada e a organização das suas Exposições, sinto que o método por comparação é o melhor método de julgamento para os criadores de gloster e suas aves.
O método por comparação dá ao criador maior número de oportunidades de aprender sobre as suas aves e logo melhorar estas, tal como permite expor um largo leque de cores. Gostava de convidar os criadores de glosters em Portugal a organizarem “One day Shows” em diferentes regiões pelo método de comparação de forma a competirem mais, aprenderem mais sobre as suas aves, de forma a fazerem com maior rapidez progressos na criação do fantástico canário que é o gloster!

Rob and Ian Wright Juízes I.G.B.A. in "O Gloster nº6"

 

 

Julgamento por pontos

 

O sistema de avaliação por pontos é o sistema utilizado na COM (Confederação Ornitológica Mundial) para classificar a qualidade das aves que participam nas exposições.
Este sistema traduz-se na avaliação de uma ave por meio de quantificação em pontos das suas principais características. Por sua vez esta quantificação é parcelar, isto é, tem determinadas rubricas pontuadas individualmente que são correspondentes às principais características das aves.
O valor da pontuação das diferentes rubricas é diferente de acordo com as características consideradas mais importantes. No caso específico dos Glosters são as rubricas Tamanho, Cabeça ou Poupa e Corpo que têm o valor de 20 pontos cada. Em seguida a Plumagem que vale 15 pontos. Depois a Posição com o valor de 10 pontos. Finalmente as rubricas Cauda, Patas e Condição as menos importantes com o valor de 5 pontos. A soma das diferentes parcelas dão o valor da pontuação final.
Isto significa que duas aves completamente diferentes podem ter a mesma pontuação, dado que uma pode ser melhor em certas rubricas e a outra melhor nas outras rubricas.
Em todas as aves a escala é composta por uma bitola de 100 pontos. Na realidade, uma vez que na ornitologia a qualidade das aves sofre uma alteração constante, estipulou-se que uma ave boa deve ter por volta de 90 pontos e o máximo que se pode atribuir são 94 pontos para o 1º Classificado. Como tem que existir no mínimo uma diferença pontual de um ponto sempre entre 1º, 2º, 3º e quartos classificados na realidade estamos a atribuir pontos para uma bitola de 90, 91 pontos sem contarmos com os três premiados.
Ora, se na realidade estamos a atribuir 90 pontos em 100 isso significa que em cada uma das rubricas num pássaro de 90 pontos temos que retirar cerca de 10% do valor total da rubrica. No caso específico do Gloster nas rubricas Tamanho, Cabeça ou Poupa e Corpo que valem 20 pontos atribuímos para uma ave muito boa 18 pontos, 17 para uma boa, 16 para uma razoável e 15 se for má. Daí se explica o porquê de nunca se tirar 20 e eventualmente um 19 só para campeões que atinjam 93 ou 94 pontos no total.

Na mesma linha de pensamento vem a rubrica Plumagem que vale 15 pontos. Na prática 14 para uma plumagem muito boa, 13 para uma boa e 12 para uma plumagem com pequenos defeitos. Estes podem surgir sob a forma de pequenos tufos localizados, plumagem demasiado larga ou comprida, penas de galo, penas retorcidas, etc.
Este sistema permite ao criador adquirir informação acerca dos itens em que a sua ave deve ser aproveitada e quais aqueles em que necessita de ser trabalhada. Esse conhecimento será necessário na altura do acasalamento para escolhermos as aves com as características correctas para acasalar com as nossas.
O maior problema desta forma de julgamento é o tempo. Para este tipo de trabalho para ser feito com método e aplicado em rigor, só se deveriam julgar 100 a 120 aves por dia por cada juiz, o que nem sempre é possível. No entanto, permite transmissão de informação para todas as aves. É importante sabermos que as que não ganham não significa que não sejam boas para reproduzir.

Jorge Quintas - Juiz CNJ; OMJ in "O Gloster nº6"

 Standard do Canário Gloster

 

 

Colegio de juizes

Colegio de Juizes